00:00:00
22 Oct

Alunos reproduzem obras de pintores famosos nas portas de escola municipal na Zona Norte de SP

Cerca de 40 portas foram pintadas com obras de Portinari, Tarsila do Amaral e Munch. Segundo coordenadora do projeto, a ideia é transformar os corredores da EMEF Rui Bloem em uma ‘verdadeira galeria’ de arte.

 Keysi dos Santos ao lado da reprodução da obra "O grito", de Edvard Munch. — Foto: Vitor Muniz/G1
Keysi dos Santos ao lado da reprodução da obra “O grito”, de Edvard Munch. — Foto: Vitor Muniz

Alunos reproduziram obras de grandes pintores nacionais e internacionais nas portas da escola municipal Rui Bloem, em Pirituba, na Zona Norte de São Paulo. São cerca de 40 portas pintadas com pinturas famosas, que vão do expressionismo de Van Gogh à africanidade de Chica Sales.

Segundo a professora de Artes que coordena o projeto, Priscila Trentin, ela sentia que os alunos do 7º ao 9º ano do Ensino Fundamental precisavam sair das pinturas feitas em telas para imergir ainda mais no universo da arte.

“Eu não via a marca dessas crianças na escola e isso me incomodava”, disse Priscila. “Então, eu reuni as crianças que já faziam parte do projeto de pintura em tela e começamos a escolher as obras que iríamos reproduzir nas portas”, completou.

Os estudantes também pintaram grafismos indígenas e artistas modernistas, como Vik Muniz e Basquiat, e reproduziram obras do artista irlandês Christy Brown, que pintava com os pés por conta de uma paralisia cerebral que limitou seus movimentos.

Antes de desenvolver as pinturas, os alunos do projeto tiveram aulas sobre a história de cada autor que desejavam reproduzir. De acordo com Priscila, é neste momento que os alunos entendem o contexto em que a pintura foi feita, o que gera identificação e aproxima os jovens dos artistas.

Pedro Figueira ao lado de sua reprodução da obra "Mulher com Guarda Chuva", de Cícero Dias. — Foto: Vitor Muniz/G1
Pedro Figueira ao lado de sua reprodução da obra “Mulher com Guarda Chuva”, de Cícero Dias. — Foto: Vitor Muniz

“Eles se identificam muito com a história dos pintores, pois estão inseridos em um ambiente marginalizado também. Ou seja, ensinando a história do Basquiat, por exemplo, nós podemos falar sobre homossexualidade, dependência química, sobre o gueto e até imigração”, afirma.

“Eu pensava que esses pintores clássicos tinham vidas normais. Pensava que eles cresciam, trabalhavam e se casavam. Quando eu pesquisei mais eu percebi que a vida deles era uma loucura e que não era muito diferente da nossa“, diz a aluna do projeto Keysi dos Santos.

O projeto é realizado no contraturno das aulas e, para o diretor da Emef, Rodolfo Pauzer, ajuda a manter o aluno em contato com o conhecimento.

“É uma comunidade extremamente vulnerável e, tirar esse aluno da rua e trazer para a escola por um tempo um pouco maior, ajuda na proteção dessa criança. É uma forma de proteção”, explica o diretor da Emef, Rodolfo Pauzer.

Cada obra reproduzida conta com a descrição do artista original, técnicas aplicadas, dimensões e localização atual da obra, fazendo com que os estudantes também desenvolvam habilidades de pesquisa, história, geografia e língua portuguesa.

Além do conhecimento técnico e prático, os alunos que participam do projeto contam que esse período a mais que passam na escola é importante para expressar sentimentos e extravasar angústias.

“Antes a gente ficava em casa, dormindo ou até mesmo na rua. Quando a professora começou com o projeto, nós começamos a gostar e fomos nos apegando às telas”, diz Keysi.

“Eu já desenhava, mas comecei a pintar mais depois que minha família começou a ter problemas, aí eu comecei a expressar minha raiva nos desenhos para poder me aliviar”, pontuou a estudante e também aluna do projeto Elaine Dina.

Elaine Dina ao lado da reprodução de uma das obras do artista colombiano Fernando Botero. — Foto: Vitor Muniz/G1
Elaine Dina ao lado da reprodução de uma das obras do artista colombiano Fernando Botero. — Foto: Vitor Muniz

A maioria das portas da escola já ganhou uma obra. Mas o que vai acontecer quando todas estiverem pintadas? Para aluno Pedro Figueira, a arte ultrapassa qualquer limite físico.

“Não importa o lugar ou o material que você está usando, sempre vai ser uma forma de expressão. Você sempre vai estar liberando algo que está dentro de você”, disse.

Os alunos Pedro figueira e Amanda dos Santos reproduzem a pintura 'Menina Sentada', de Cândido Portinari, na porta de um dos banheiros da EMEF Rui Bloem — Foto: Vitor Muniz/G1
Os alunos Pedro figueira e Amanda dos Santos reproduzem a pintura ‘Menina Sentada’, de Cândido Portinari, na porta de um dos banheiros da EMEF Rui Bloem — Foto: Vitor Muniz
Priscila Trentin é coordenadora do projeto e professora de artes. Já são mais de 40 obras reproduzidas nas portas da Emef Rui Bloem. — Foto: Vitor Muniz/G1
Priscila Trentin é coordenadora do projeto e professora de artes. Já são mais de 40 obras reproduzidas nas portas da Emef Rui Bloem. — Foto: Vitor Muniz
Elaine Dina ao lado da reprodução de um auto-retrato de Frida Kahlo. — Foto: Vitor Muniz/G1
Elaine Dina ao lado da reprodução de um auto-retrato de Frida Kahlo. — Foto: Vitor Muniz
Amanda dos Santos, 15, Keysi dos Santos, 15, Ytauana Priscila, 14, Jhenifer Veras, 15, Danubia Pereira, 15, Elaine Dina, 15, e Pedro Figueira, 13, são 7 dos 12 alunos que fazem parte do projeto de pintura.  — Foto: Vitor Muniz/G1
Amanda dos Santos, 15, Keysi dos Santos, 15, Ytauana Priscila, 14, Jhenifer Veras, 15, Danubia Pereira, 15, Elaine Dina, 15, e Pedro Figueira, 13, são 7 dos 12 alunos que fazem parte do projeto de pintura. — Foto: Vitor Muniz
Jhenifer Veras ao lado de sua reprodução da obra "Abaporu", de Tarsila do Amaral — Foto: Vitor Muniz/G1
Jhenifer Veras ao lado de sua reprodução da obra “Abaporu”, de Tarsila do Amaral — Foto: Vitor Muniz
Pedro Figueira e Jhenifer Veras ao lado de sua reprodução da obra "Balloon Girl", de Banksy. — Foto: Vitor Muniz/G1
Pedro Figueira e Jhenifer Veras ao lado de sua reprodução da obra “Balloon Girl”, de Banksy. — Foto: Vitor Muniz
 Amanda dos Santos ao lado de sua reprodução da obra "Tocador de Pífano", de Djanira da Motta. — Foto: Vitor Muniz/G1
Amanda dos Santos ao lado de sua reprodução da obra “Tocador de Pífano”, de Djanira da Motta. — Foto: Vitor Muniz
Obra do artista Andy Warhol reproduzida nas portas da Emef Rui Bloem.  — Foto: Vitor Muniz/G1
Obra do artista Andy Warhol reproduzida nas portas da Emef Rui Bloem. — Foto: Vitor Muniz/
Danubia Pereira ao lado de sua reprodução da arte "Le Chat Noir", do designer Théophile Steinlen. — Foto: Vitor Muniz/G1
Danubia Pereira ao lado de sua reprodução da arte “Le Chat Noir”, do designer Théophile Steinlen. — Foto: Vitor Muniz

You may be interested

Cidade do Pôr do Sol mais bonito do Brasil sedia 28º Torneio de Pesca ao Tucunaré
Brasil
Brasil

Cidade do Pôr do Sol mais bonito do Brasil sedia 28º Torneio de Pesca ao Tucunaré

Carlos Nascimento - 22/10/2019

Com objetivo de divulgar o potencial turístico da Estância de Presidente Epitácio e promover o lazer e a confraternização entre os amantes da pesca esportiva, a Secretaria…

Gabarito do concurso SME-SP 2019 para Auxiliar Técnico em Educação é divulgado
Educação
Educação

Gabarito do concurso SME-SP 2019 para Auxiliar Técnico em Educação é divulgado

Carlos Nascimento - 22/10/2019

22/10/2019 14:00A Escola de Dança Teatro Guaíra já abriu processo seletivo para contratação de três professores, sendo duas vagas para Dança Clássica e uma para Dança Clássica/Contemporânea.…

CPI do BNDES não sugere indiciamento de Lula e Dilma
Crimes
Crimes

CPI do BNDES não sugere indiciamento de Lula e Dilma

Carlos Nascimento - 22/10/2019

Gary, localizada no estado americano de Indiana, foi considerada a cidade mais miserável dos Estados Unidos, numa lista de 50 municípios com altos índices de pobreza, segundo…

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Most from this category