Boris Johnson considera "vergonhosas" ameaças a estátua de Churchill

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, considerou hoje “absurdo e vergonhoso” que a estátua de Winston Churchill tenha sido coberta com tábuas de madeira para evitar ser vandalizada por “manifestantes violentos”.

Numa série de oito mensagens no Twitter, o primeiro-ministro disse que a estátua da Praça do Parlamento, em Londres, de homenagem ao líder britânico durante a Segunda Guerra Mundial “é uma recordação permanente do seu feito ao salvar este país – e toda a Europa – de uma tirania fascista e racista”.

“É absurdo e vergonhoso que este monumento nacional esteja hoje em risco de ser atacado por manifestantes violentos. Sim, ele às vezes expressou opiniões que eram e são inaceitáveis para nós hoje, mas ele foi um herói e merece o memorial”, acrescentou Johnson, atacando aqueles que procuram “censurar o nosso passado”.

Para o primeiro-ministro, as manifestações do movimento Black Lives Mater, que têm ocorrido e deverão continuar no fim de semana, foram “lamentavelmente apropriados por extremistas com o objetivo de causar violência”.

“Os ataques à polícia e os atos indiscriminados de violência que testemunhamos na semana passada são intoleráveis e abomináveis”, disse Johnson, apelando às pessoas para não participem nos protestos.

Movimentos de extrema-direita anunciaram a intenção de se concentrar este fim de semana em torno de uma estátua de Winston Churchill, onde a palavra “racista” foi escrita no fim de semana passado durante protestos anti-racistas.

No domingo passado, uma multidão derrubou e atirou para as águas do porto de Bristol a estátua do comerciante de escravos do século XVII Edward Colston, mas o monumento foi recuperado esta manhã pela prefeitura local para que possa ser colocada num museu.  

A união dos municípios de Bournemouth, Christchurch and Poole decidiu na quarta-feira à noite remover temporariamente a estátua do fundador do escotismo, Robert Baden-Powell, após ter sido identificada numa lista de potenciais alvos de manifestantes anti-racismo. 

Os protestos anti-racistas no Reino Unido foram desencadeados pela morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui