Governo obedece à ordem do STF, e Ministério da Saúde volta a divulgar dados completos da covid


Informações vinham sendo omitidas desde a última semana, gerando críticas de autoridades, entidades e pesquisadores. Alexandre de Moraes determinou retorno dos dados ao portal. Ministério da Saúde volta a publicar dados completos da pandemia após determinação do STF
O Ministério da Saúde voltou a divulgar, na tarde desta terça-feira (9), os números acumulados e os índices proporcionais dos contágios e mortes em decorrência do coronavírus. Esses dados estavam ausentes da divulgação oficial deste a última sexta (5).
Durante esse intervalo, o portal do ministério sobre a covid-19 divulgou somente os casos e mortes confirmados nas 24 horas anteriores.
A mudança gerou críticas de autoridades e especialistas. Na noite de segunda (8), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a retomada do formato original.
Página do Ministério da Saúde volta a exibir dados acumulados sobre a Covid-19
Ministério da Saúde/Reprodução
Até as 16h30 desta terça, o portal ainda exibia os dados compilados na noite de segunda-feira. De acordo com esses números, o Brasil registrou 707.142 casos confirmados e 37.134 mortes.
Os números, de acordo com o site, indicam uma incidência de 336,6 casos e uma mortalidade de 17,7 mortes para cada 100 mil habitantes.
Alexandre de Moraes determina que governo volte a divulgar dados completos sobre pandemia
A decisão do ministro
Na noite de segunda, o ministro Alexandre de Moraes julgou uma ação movida pelos partidos Rede Sustentabilidade, PSOL e PCdoB, e determinou que o governo retomasse o formato tradicional de divulgação dos dados.
Com o formato atualizado nesta terça, o Ministério da Saúde cumpre, na íntegra, os dados solicitados na ação. A lista de dados inclui:
número de casos confirmados, pacientes recuperados e óbitos em decorrência da Covid-19 nas últimas 24 horas;
número total de casos confirmados, pacientes recuperados e óbitos em decorrência da Covid-19;
número de casos, óbitos e recuperados por dia de ocorrência;
número de hospitalizados com confirmação de Covid-19 e com SARS (síndrome respiratória aguda) em enfermaria e UTI por unidade de saúde, município e estado.
“A gravidade da emergência causada pela pandemia do Covid-19 exige das autoridades brasileiras, em todos os níveis de governo, a efetivação concreta da proteção à saúde pública, com a adoção de todas as medidas possíveis para o apoio e manutenção das atividades do Sistema Único de Saúde”, escreveu Moraes na decisão.
Após a mudança na divulgação, na última sexta, um consórcio de veículos de imprensa, formado por jornalistas de G1, “O Globo”, “Extra”, “O Estado de S. Paulo”, “Folha de S.Paulo” e UOL, passou a consolidar os dados por conta própria, com base nos boletins das secretarias estaduais de saúde.
O ministro também determinou que a Advocacia-Geral da União (AGU) preste as informações “que entender necessárias” no prazo de 48 horas. Com esses dados, Moraes pode aplicar uma nova decisão ou, se preferir, submeter o tema ao plenário do STF.
Omissão e críticas
A decisão do governo Jair Bolsonaro de esconder os dados acumulados da pandemia do coronavírus gerou fortes críticas dos mais diversos setores.
O diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, destacou nesta segunda-feira a necessidade de transparência sobre os dados da pandemia de Covid-19 no Brasil.
“É muito importante, ao mesmo tempo, que as mensagens sobre transparência e divulgação de informações sejam consistentes, e que nós possamos contar com os nossos parceiros no Brasil para fornecer essa informação para nós, mas, mais importante, aos seus cidadãos. Eles precisam saber o que está acontecendo”, destacou Ryan.
No sábado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que, se preciso, o parlamento faria a divulgação da íntegra dos dados.
“Eu disse ao ministro Jorge [Oliveira] que nós não queremos ter que criar uma estrutura para ter que consolidar informação. Até porque é o seguinte: essas são informações que não são do governo federal, são dos estados. Então, os estados vão divulgar de qualquer jeito, alguém vai consolidar. Vai ser a Câmara, vai ser o TCU? Alguém vai consolidar e vai dar publicidade a isso. Agora é muito ruim que a gente precise estar pedindo, está preocupado com um assunto como esse. É óbvio que a transparência é fundamental”, afirma Maia.
O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas também propôs a criação de uma rede paralela à do governo, envolvendo os tribunais de contas nos estados, para consolidação dos dados sobre a covid-19 e “divulgação diária até as 18h”.
Dantas, por meio de uma rede social, justificou a medida diante das “novas dificuldades para divulgar dados nacionais de infectados, curados e óbitos da Covid-19”.
O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) chegou a colocar no ar um levantamento próprio, usando os mesmos dados que os secretários enviam diariamente ao Ministério da Saúde.
Em nota, o presidente do conselho e secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame, afirma que as decisões de gestão em saúde devem ser pautadas por “ciência, verdade e informação precisa e oportuna”.
O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, demitido do cargo em meio à pandemia, classificou a mudança como “uma tragédia”.
“Do ponto de vista de saúde, é muito ruim, é uma tragédia o que a gente está vendo, de desmanche da informação. Me parece que estão querendo fazer uma grande cirurgia nos números dos protocolos público”, afirmou.
Numa rede social, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, disse que os dados do Ministério da Saúde “devem estar abertos ao público, aos gestores e, portanto, à imprensa de forma consistente e ordenada”.
A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) disse que “enquanto o número de mortos e contaminados atinge níveis recordes no país, ceifando a vida de milhares de brasileiros, o governo de Jair Bolsonaro opta por dificultar o acesso a informações sobre o avanço da doença”.
A ABI disse ainda que o Ministério da Saúde passou a atrasar a divulgação dos dados “na tentativa de calar a imprensa por meio do adiantado da hora.”
A vice-presidente da comissão mista do Congresso que acompanha o coronavírus, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), informou que quer convocar o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, para dar explicações.
“A transparência é essencial para se combater a doença principalmente agora, com os números de infecção e óbitos crescentes. Não se pode imaginar ou permitir qualquer manipulação nessa área. Seria crime de responsabilidade”, disse.
Initial plugin text

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui