Inflação em 2020 é mais intensa para famílias de baixa renda, diz IPEA

As famílias de baixa renda tiveram inflação mais intensa do que as mais ricas no acumulado deste ano, informou o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Enquanto as famílias de renda mais baixa (até R$ 1.534,55) registram alta acumulada no ano de 0,45%, os mais ricos (com rendimento acima de R$ 15.345,53) apresentaram deflação de 0,45%

Em maio, as famílias de renda mais baixa tiveram deflação pela primeira vez no ano. Apesar disso, ela foi bem mais intensa para a faixa de renda mais alta (-0,57%) quando comparada à de renda mais baixa (-0,19%).

Na análise dos primeiros cinco meses do ano, os pesquisadores mostraram que a alta de 4,3% dos alimentos, medida pelo IPCA, impactou o custo de vida das famílias com menor poder aquisitivo (cuja despesa é maior em habitação, alimentos e bebidas). Por outro lado, a deflação de 39,4% nas passagens aéreas e de 14,9% nos combustíveis, beneficiou as famílias mais ricas (que além dos transportes, também despendem uma parte maior do seu orçamento com despesas pessoais e educação).

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda é calculado mensalmente, com base nas variações de preços de bens e serviços disponibilizados pelo Sistema Nacional de Índice de Preços ao Consumidor (SNIPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e os pesos de cada produto ou serviço são calculados por meio dos dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).

Recentemente, houve divulgação da nova POF 2017/2018 (com mudanças nas cestas de consumo das famílias brasileiras) e o Ipea, assim como o IBGE já havia feito com o IPCA, atualizou os vetores de pesos para todas as faixas de renda pesquisadas a fim de retratar da melhor maneira possível o impacto inflacionário no orçamento das famílias.

*Com Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui