Lava Jato: Ex-gerente da Petrobras, executivo da Odebrecht e empresário são condenados por propina em obra de sede da estatal


De acordo com a sentença, foram pagos R$ 3,5 milhões em propina relacionada a contratos para as obras do prédio da Petrobras em Vitória, entre 2010 e 2013. De acordo com a sentença, foram pagos R$ 3,5 mi em propina relacionada a contratos para as obras da sede da Petrobras em Vitória
Reprodução/TV Gazeta
A Justiça Federal condenou Celso Araripe D’Oliveira, ex-gerente da Petrobras, o empresário Eduardo de Oliveira Freitas Filho e o executivo da Odebrecht Paulo Boghossian por um esquema de pagamento de propinas envolvendo contratos para as obras da sede da estatal em Vitória, no Espírito Santo.
A sentença foi proferida nesta terça-feira (16), pelo juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, em um processo no âmbito da Operação Lava Jato.
Segundo a Justiça Federal, a estatal pagou R$ 556 milhões pela obra a um consórcio comandando pela Odebrecht. O total pago em propina, no esquema, segundo a sentença foi de R$ 3,5 milhões. Os pagamentos investigados ocorreram entre 2010 e 2013.
Veja, abaixo, a condenação de cada um dos réus:
Celso Araripe D’Oliveira – ex-gerente da Petrobras: Condenado a 15 anos e 20 dias de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro;
Eduardo de Oliveira Freitas Filho – empresário: Condenado a 9 anos e 2 meses por lavagem de dinheiro;
Paulo Sérgio Boghossian – executivo da Odebrecht: Boghossian firmou acordo de delação premiada e, portanto, teve a pena substituída pelo cumprimento do acordo, que previa pena em regime aberto e prestação de serviços à comunidade.
A Justiça também determinou que os três réus paguem R$ 3,5 milhões à Petrobras, referentes ao montante desviado em pagamentos de propina, conforme apontaram as investigações.
O G1 tenta localizar as defesas dos citados.
Esta reportagem está em atualização.
Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui