Ministra Cármen Lúcia nega pedido para tirar extremista Sara Giromini da prisão

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de habeas corpus impetrado pela defesa da extremista Sara Giromini para tirá-la da prisão.
Apontada como chefe de um grupo de extrema-direita que apoia o presidente Jair Bolsonaro, ela está presa desde segunda-feira (15) por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF.
O ministro determinou a prisão como parte das investigações do inquérito – aberto a pedido da Procuradoria Geral da República – que apura a organização e o financiamento de atos antidemocráticos.
A prisão é temporária – tem prazo de cinco dias e pode ser renovada pelo mesmo período.
A íntegra da decisão da ministra não foi divulgada.
A extremista foi transferida da Superintendência da Polícia Federal para um presídio feminino em Brasília nesta quarta-feira (17).
Na terça (16), Sara Giromini e outros três presos foram levados para prestar depoimento, mas ficaram calados.
A Polícia Federal ainda tenta prender outros dois integrantes do grupo que estão foragidos.
Sara Giromini também é investigada em outro inquérito, que apura a produção e disseminação de fake news e ataques ao Supremo.
No fim de maio, quando foi alvo de uma ação da Polícia Federal nesse inquérito, ela gravou vídeo com insultos e ameaças ao ministro relator, Alexandre de Moraes. Foi denunciada pelo Ministério Público Federal por injúria e ameaça contra o ministro.
Ao STF, os advogados da extremista defenderam que a prisão é ilegal, uma vez que ela não teria foro privilegiado no STF, por exemplo.
“Conforme demonstrado minuciosamente, não se vislumbra minimamente qualquer justificativa plausível para a prisão cautelar da paciente, uma vez que além de possuir endereço fixo, sequer foi indicado um crime tipificado”, afirmaram.
A defesa de Sara Giromini lamentou a transferência para o presídio antes que a Justiça analisasse o pedido de habeas corpus.
Segundo o advogado, Sara Giromini tem sofrido ameaças de morte de dentro do presídio. Ele também disse que ainda não teve acesso aos autos sobre os motivos da prisão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui