Pesquisa aponta que 74% apoiam protestos contra violência nos EUA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A ampla maioria dos norte-americanos apoia os protestos realizados nos Estados Unidos pelo fim da violência policial e do racismo, segundo uma pesquisa feita a pedido do jornal The Washington Post.

O estudo apontou que 74% dos entrevistados concordam com os atos, que começaram após George Floyd, um homem negro, ser sufocado e morto em uma ação policial, em 25 de maio. As manifestações se espalharam por dezenas de cidades do país e também por outros países.

Veja também: Na Europa, 10% dos negros dizem já ter sido parados por racismo

Após várias cerimônias de homenagem, Floyd será enterrado nesta terça (9) em Houston, cidade onde ele cresceu.

Em um recorte partidário, 87% dos democratas são favoráveis aos atos. Já entre os republicanos, 53% apoiam os protestos e 46% dizem ser contrários a eles.

O levantamento mostrou que, nos últimos anos, mais americanos passaram a considerar que há “problemas amplos” na forma como a polícia trata os negros no país. Em 2014, 43% concordavam com a afirmação. Agora, 69% veem a questão dessa forma, em vez de avaliar que as mortes brutais que viram notícia, como a de Floyd, são exceções.

As percepções sobre episódios de violência em meio às manifestações, como saques e depredações, também foram avaliadas. Apenas 10% culparam os ativistas por eles, 14%, a polícia e 66% os atribuíram a “outras pessoas agindo de modo irresponsável”.

A ação policial para lidar com os atos foi aprovada por 50%, e 44% disseram avaliar que os agentes usaram mais força do que o necessário.O levantamento também fez perguntas sobre a ação da Presidência. Entre os entrevistados, 61% desaprovaram as ações de Donald Trump, e 35% as aprovaram. Entre os republicanos, o presidente tem aprovação 72%.

Metade dos entrevistados disse preferir um presidente que enfrente a desigualdade racial, e 37% disseram querer um presidente capaz de restaurar a segurança.

Trump disse ser o presidente da lei e da ordem e atacou duramente os manifestantes, com ameaças de ataques físicos e de criminalizá-los como terroristas.

A pesquisa foi feita entre os dias 2 e 7 de junho e ouviu 1.006 adultos. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Veja também: Coreia do Norte vai cortar comunicação com Coreia do Sul, diz agência

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui