Weintraub ganhará US$ 250 mil ao ano no Banco Mundial; diplomatas apontam risco de ‘desastre’

Weintraub anuncia saída do MEC em vídeo ao lado de Bolsonaro
A saída encontrada pelo governo para resolver os problemas causados pela presença de Abraham Weintraub no Ministério da Educação é vista com preocupação por diplomatas e integrantes de órgãos multilaterais, que chegam a falar em “potencial enorme de um desastre internacional”.
Nesta quinta-feira (18), no vídeo ao lado do presidente Jair Bolsonaro no qual anunciou que deixará o ministério, Weintraub confirmou que ocupará um cargo de diretor no Banco Mundial.
Ele irá para um posto de livre indicação do Brasil, o de diretor-executivo do Grupo de Acionistas que o Brasil representa no Banco Mundial, e que reúne Colômbia, Filipinas, Equador, República Dominicana, Haiti, Panamá, Suriname e Trinidad e Tobago.
O salário é de US$ 250 mil ao ano (cerca de R$ 1,34 milhão, em valores de hoje), e o ocupante do cargo precisa morar em Washington.
Diplomatas e integrantes de organismos multilaterais ouvidos pelo blog dizem que o cargo é eminentemente diplomático e que são essenciais relações com representantes dos países do grupo para o Brasil atrair investimentos.
Outra pessoa ouvida, com larga escala em organismos internacionais, disse que em passado recente, um indicado brasileiro a um cargo semelhante no Fundo Monetário Inrternacional (FMI) causou problemas com os países do grupo, o que levou à perda de influência do Brasil e a problemas diplomáticos em outras áreas.
A partir da indicação oficial, feita pelo Ministério da Economia, a confirmação do ocupante do cargo leva cerca de um mês, após consulta aos demais países do grupo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui